quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

NOVIDADE PARA TILAPEIROS





SEUS PROBELMAS ACABARAM...Não se trata de mais um produto das Organizações Tabajara, este guarda-sol, veio substituir os tradicionais, bem como, o trabalhão que dá, em cobrir os normais com uma lona, para formar a barraca de pesca, na beira do pesqueiro, bem como, no nosso caso, ter que conseguir estacas, para prendê-la, coisa que resolvi, levando em cada pescarias tubos de ferro, para tal função. Esta novidade, substitui todas estas tralhas, com a vantagem de também ser impermeável, fácil de armar e desarmar, regular alturas, enfim atende nossas necessidades e é claro que tem um "precinho" á princípio, parece "salgado",aqui em Curitiba, ele fica em torno de 150 mangos, mais pela praticidade, vale a pena, pois acompanha outros acessórios que facilitam nossa vida.

SURPRESAS OU COINCIDÊNCIA ???


Pois é companheiros, coisas que se repetem:
1) Certa vez, uma carpa capim levou minha varinha telescópica de "carbono", de 6,30 metros, armada com erva doce, aquelas que custam uma nota preta, na época 180,00 pilas. Era sua estréia e vocês só podem imaginar meu desespero, ao ve-la ser "arrancada" do suporte e em questão se segundos, ir se afastando da margem, numa rapidez incrível, para depois de alguns minutos "embicar" e sumir nas profundezas da represa.
2) Depois em treis ocasiôes diferente, foram outras, porém, estas mais baratas, duas, também arrancadas do suporte por um peixe e uma terceira, por "falha técnica". Havia fixado os suportes no barranco, um deles com maior inclinação e ao depositar a varinha de emendas longas, ainda fechada "novinha em folha", ela escorregou e "um abraço pro gaiteiro".
3) Exceto á surpresa e decepção, destas horas, fiquei com a cara de "bocó". Pior é aguentar o "sarro" dos outros, dá vontade de mandá-los pra... deixa prá lá.
4) A novidade, sé é que tem alguma, aconteceu de novo, dia 20/12, nesta fatídica última pescaria, que já narrei, que as tilápias sumiram, então, fui tentar os lambarís. Eles também não estavam "nem aí". Trocava os "sagús", jogava ceva, aumentava ou diminuia a profundidade, lançava as linhas ora de um lado, depois do outro ou então na frente e nada. Até que a piciência esgotou e resolvi colocar a vara no suporte. De repetente... "um filho da... mãe basileira dum peixe, arrancou-a do suporte e como narrei acima, lá se foi ela...
Como ela foi se afastando da margem lentamente, de imediato, peguei outra vara comprida das demais que estavam no suporte, para tentar recuperá-la. Apavorado, ao lançar a linha desta, por muito azar, a mesma se enroscou nas outras varas e aquela que caiu na água, foi se afastando.
Mais desta feita, as coisas foram á meu favor: Acontece que um pescador que acampou conosco, tinha deixado o barco na margem e assim que viu "meu pepino", desceu barranco abaixo, entrou no barco e depois de algumas remadas, a recuperou, senão, seria mais um prejuízo, pois esta varinha também de carbono, custou outra nota preta.
Como dis o "velho deitado": Errar é humano, mais persisitir no erro....
A relevância destes "causos" fica com vocês?

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

NOVA MINISTRA DA PESCA

Pois é companheiro, nunca faltou assunto para adicionar neste blog, que aliás, revendo alguns, percebo que poucos fizeram comentários, mais não importa, está cheio de outros na Internet, inclusive foruns dos quais também participo.
Mais falando no assunto, este que nos interessa, infelizmente na política como de costumes, atende-se mais os interesses partidários, em detrimento daquilo que interessa á sociedade ou no caso os setores relacionados com a pesca, incluindo a nossa modalidade amadora e esportiva.
Nada tenho contra a nova ministra da pesca e aquicultura, a Senhora Ideli Salvatti, aliás, espero que ela de prosseguimento ao antigo gestor, Senhor Altamir Gregolim, que criou vários projetos na área, mesmo porque,o normal é quando se mudam as pessoas, estas querem "aparecer" e acabam abandonando aquilo que está em andamento.
Apesar das expectativas, espero estar enganado, entretanto, esta ministra pelo seu curriculum, não entende do assunto, pois consta que ela tem experiência em outras áreas.
Parafraseando o personagem Tiririca: Pior que está, não vai ficar e torçamos para o melhor acontecer.

TEMPORADA 2011 DAS TILÁPIAS.


Pois é pessoal tilapeiro:
Depois de ficar 8 meses sem pescar, não faltou vontade, na verdade interesse de ir em busca de outros peixes, já que de abril em diante, as tilápias ficaram inativas e durante todo este período, aqui na região sul, além do frio, as chuvas sempre apareciam, quando pretendia uma pescaria diferente, o jeito era aguardar, até a ocasião oportuna, que finalmente começou em meados de novembro p.p.
Tamb´´em para atualizar este blog, informo que fui três vezes à represa Capivari Cachoeira, que por sinal, está com o nível abaixo do normal uns 15 metros e isto significa muita canseira para preparar o pesqueiro.
Como para descer, todo santo ajuda, porém é preciso subir algumas vezes para buscar o restante das tralhas ( e hajam elas), nada que para os viciados como nós, sirva de desânimo.
Só tem um detalhe: Em todas as pescarias, que ficamos três dias e noite, o nosso querido e “sacana” São Pedro, nos brindou como várias “belíssimas” chuvas.
Mais não foi qualquer “chuvinha”, foram em alguns momentos “tempestades, acompanhadas daquela ventania”.
Faz parte, a gente sofre, mais não desiste, tanto que na última, fui todo feliz da vida, pois no domingo dia 12/12, a tarde, estava um calor e um sol daqueles de rachar a cuca, pus o pé na estrada, lá pelas 16 horas.
Estrada sequinha, mais ao me aproximar da entrada da serra da Graciosa...Chuva
Faltavam apenas uns 15km prá chegar no Recanto do Sabiá e assim que passei pélo pedágio e pela Polícia Rodoviária, mais uma surpresa:
Trânsito Parado, congestionamento de mais de 30 km, devido um acidente, bloqueando totalmente a pista de ida.
Haja paciência e a chuva virou tempestade, despencava um aguaceiro á cada instante, o recurso foi esperar...
Neste ínterim, fiquei observando o tráfego na pista contrária, entre diversos caminhôes e automóveis que voltavam á Curitiba, muitos com reboque, eram os pescadores que foram á represa com seus barcos, que o tempo atrapalhou suas pescarias.
Azar deles, a minha ainda ia começar.
Duas horas depois, debaixo da tempestade, quase não se enxergava a pista, cuidado redobrado, o trânsito fluiu e uns 30 minutos depois, já estava encostando no pesqueiro.
Nesta altura, já passava das 19,00 horas, então, por sorte a chuva deu uma parada, quando então, calcei a bota de borracha e só de bermuda desci o barranco, que nestas alturas era lama pura, levando o guarda- sol , a lona plástica e cortadeira.
Aplainei o barranco, armei o guarda sol e a lona por cima, estava pronto o lugar para pescar, daí, foi subir o barranco mais umas quatro vezes, até que tudo estava nos conforme, com um detalhe: a chuva voltou e quando terminei a empreitada, estava todo encharcado.
Nada á desanimar, mudas de roupa não faltavam, então, já as vesti, pensando no frio e chuva da noite.
Aproveitei para montar a barraca do pouso, no local abrigado que usamos, depois “lanchar”.
Barriga cheia, hora de levar o refletor e a lanterna e começar a pescaria.
Armar as varinhas telescópicas, iscadas com milho verde e lançá-las na água.
Para atrair as “meninas”, cevar o local.
Tempestade novamente, agora com aquela ventania, então, o jeito foi colocar star-lite nas peninhas, para tentar visualizar as beliscadas das malandras.
Só tentar, não adiantou, o vento balançava tanto as mesmas, que só daria algum resultado se elas afundassem as penas, coisa rara, “diga-se de passagem”.
Cansado, lá pelas duas da matina o recurso era ir dormir e assim o fiz, demorou um pouco chegar o sono, mais o barulho da chuva, logo me fez adormecer.
Segunda feira, pra variar chovendo pra “leleu”, então, fazer e tomar o café da manhã e encarar o novo desafio.
E que desafio, a água havia subido, invadido o pesqueiro, o recurso era mudar de lugar, fazer outro pesqueiro, então, depois de aplainar o novo local, desmonta um e montar outro, para depois do cansaço, sentar na cadeira, recuperar o fôlego e finalmente pescar.
Agora, a isca era capim e erva doce, mais só as miudinhas estavam dando o “ar da graça”.
O tempo passa rápido, então, hora do almoço.
Almoçar e aproveitar para tirar uma soneca.
Acordei as 16,00 horas, fiz um novo café, lanchei e desci ao pesqueiro.
Surpresa: A água o tinha invadido novamente.
Nem é preciso dizer... Fazer outro pesqueiro... Tudo novamente e debaixo de chuva.
Tudo pronto e a roupa encharcada novamente.
Subir o barranco, trocar de roupa e descer.
Até meia noite, nada de pitibiriba, então, subir o barranco e dormir.
Terça feira, seis da matina, sem chuva, mais com um vento frio, fazer a higiene pessoal, ferver a água, fazer e tomar o café da manhã e é claro, depois, ir ao pesqueiro.
Pra variar, a água tomou conta de novo...adivinhem?
É isto aí, preparar “mais um pesqueiro”, desta vez uns 80 cm acima do nível da água.
Tudo pronto começou outro dia de pescaria.
Só tilapinhas, mais num momento, saiu uma maior, mais foi a única e a chuva voltou.
Se fosse só ela tudo bem, mais a água continuava á subir e não ia demorar até a tarde para alagar o pesqueiro.
Paciência tem limite, então, a alternativa foi desmontar o pesqueiro com chuva e tudo e dá-lhe carregar as tralhas morro acima, outras quatro viagens.
Pensa que acabou?
Não, ainda tinha que lavar todas elas, “barro á vontade”.
Depois desmontar a barraca do pouso, carregar tudo no carro e duas horas mais tarde, tudo pronto, para por o pé na estrada.
Mais uma vez troquei a roupa molhada por outra seca e me mandei.
Sabem de uma coisa: resolvi não ir mais pescar.
Só até a próxima semana é claro e nem que chova “canivete” na próxima.
Vá ser tilapeiro lá no... Capivari Cachoeira.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

AOS POUCOS VOLTAREI


Volto a postar, para dar uma satisfação e resposta ao companheiro Edivaldo Ribeiro,que na nossa troca de e-mail, reclamou não haver novidade neste blog e é verdade, pois desde abril passado, não tenho ido pescar. Não faltou vontade, o que mais atrapalha é o clima aqui de Curitiba que quando chove traz o frio como companhia e depois de encerrada a temporada da pesca da tilápia,até meus companheiros do Capivari, resolveram parar. Agora falando de tilápias, tenho a honra de constatar que vários sites e foruns de pesca, me prestigiaram, aceitando publicar artigos deste meu blog, o que possibilitou o contáto com vários pescadores interessados em aprender os macetes da pesca deste peixe.
Naturalmente que o esporte da pesca é feito de outras preferências tanto em peixe, como modalidades, entretanto, á longo tempo venho notando que praticar a pesca, requer tempo e dinheiro, então, quando se tem um, falta o outro, mais para amenizar tal situação, hoje existem pesqueiros em algumas Capitais que oferecem aqueles trofeus que só se encontram na Bacia Amazônica e mesmo havendo um custo, certamente são bem menores que pescar nos locais de origem.
Mais é preciso salientar outra realidade: Tenho amigos que motivados por programas de pesca, foram á vários locais de pesca,seja em rio,represas,praias,baias ou em alto mar e afirmam que só valeu a pena, por desfrutar de paisagens magnificas,estadias e boa comida, entretanto em matéria de peixe, foi grande a decepção, gastaram uma "nota preta", alem de ver "in loco" á quantas andam a pesca predatória, neste nosso Brasilzão.
Parafraseando um outro companheiro:
Mais vale um péssimo dia de pescaria, do que um excelente dia de trabalho.
Até a próxima.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO


Pois é Pessoal da Pesca!
Novamente vou abordar um assunto que está indiretamente ligado á nosso esporte:
É provável que muitos de vocês, já tenham tomado conhecimento da votação do novo código florestal brasileiro, no que tange, aos contrários ás modificações no mesmo, ou seja:
79 Entidades, que conhecem do assunto e que representam milhares de pessoas, somado a 16 Personalidades e Intelectuais Brasileiros.
Diversas foram às razões desta contrariedade, porém a mais importante é que pretende-se aprovar uma ilegalidade, se referindo a não punição de proprietários que sofreram processos e multas, por desmatar ilegalmente, suas áreas, entre os anos de 1998 até 2008 e tais multas somam a quantia de 8 bilhões que deixarão de ser arrecadados pelo governo federal.
Segundo consta, os deputados abaixo fazem parte da bancada ruralista, portanto, fazendo uma analogia:
“Botaram a raposa pra cuidar do galinheiro”.
LISTA DE DEPUTADOS DA COMISSÃO PARA MUDANÇA DO CÓDIGO
Votaram a favor do relatório:
Anselmo de Jesus (PT-RO);
Homero Pereira (PR-MT);
Luis Carlos Heinze (PP-RS);
Moacir Micheletto (PMDB-PR);
Paulo Piau (PPS-MG);
Valdir Colatto (PMDB-SC);
Hernandes Amorim (PTB-RO);
Marcos Montes (DEM-MG);
Moreira Mendes (PPS-RO);
Duarte Nogueira (PSDB-SP);
Aldo Rebelo (PCdoB-SP);
Reinhold Stephanes (PMDB-PR);
Eduardo Seabra (PTB-AP).
Ainda alegam eles, que tais modificações vão beneficiar 900 mil agricultores que estão em situação irregular.
Quem votou contra:
Dr. Rosinha (PT-PR);
Ricardo Tripoli (PSDB-SP);
Rodrigo Rollemberg (PSB-DF);
Sarney Filho (PV-MA);
Ivan Valente (PSOL-SP)
Agora só resta á Câmara e Senado Federal, aprovar tal relatório e transformá-lo em Lei e se assim for feito, mais uma vez, a vontade de poucos, prevalecerá sobre o interesse de muitos.
Segundo um jornal, o desmatamento aumentará em 80milhões de hectares, pois permite o desmatamento de áreas de até 4 módulos fiscais, sendo que cada uma, corresponde a 100 hectares.
Para se ter uma idéia do que isto representa, devemos lembrar que 1 hectare representa a medida de um campo de futebol oficial 90x120 ou 10.800m2 o que equivale á 400 campos do mesmo.
Vamos ver no que vai dar?

_________________

terça-feira, 6 de julho de 2010

CURIOSIDADE NA NOTA DE 20 DOLARES


Mistério da História
Pergunta a um professor de história se ele ou ela consegue explicar isto...
mas eu penso que não vão conseguir.

Abraham Lincoln foi eleito para o Congresso em 1846.
John F. Kennedy foi eleito para o Congresso em 1946.

Abraham Lincoln foi eleito Presidente em 1860.
John F. Kennedy foi eleito Presidente em 1960.

Ambos se preocupavam muito com, sobretudo, os direitos civis.
Ambas as suas esposas perderam crianças enquanto habitavam a casa branca.


Ambos os Presidentes foram assassinados numa sexta-feira.
Ambos os Presidentes levaram um tiro na cabeça.

E agora é que se torna mais estranho:
O secretário de Lincoln chamava-se Kennedy,
O secretário de Kennedy chamava-se Lincoln.
Ambos foram assassinados por alguém dos estados do sul.
Ambos os Presidentes foram sucedidos por um homem do sul chamado Johnson.
Andrew Johnson, que sucedeu a Lincoln, nasceu em 1808.
Lyndon Johnson, que sucedeu a Kennedy, nasceu em 1908.
John Wilkes Booth, que assassinou Lincoln, nasceu em 1839...
Lee Harvey Oswald, que assassinou Kennedy, nasceu em 1939...
Ambos os assassinos eram conhecidos pelos seus 3 nomes.
Ambos os seus nomes eram formados por 15 letras.
E agora, segura-te:
Lincoln foi assassinado num teatro chamado "Ford"
Kennedy foi assassinado num carro da marca Lincoln, feito pela "Ford"
Lincoln foi assassinado num teatro e o seu assassino correu para um armazém para se esconder.
Kennedy foi assassinado a partir dum armazém e o seu assassino fugiu para um teatro e escondeu-se lá.
Booth e Oswald foram assassinados antes do seu processo.
E aqui vai a cereja no topo do bolo....
1 semana antes de Lincoln ser assassinado, ele esteve em Monroe, no estado de Maryland
1 semana antes de Kennedy ser assassinado, ele esteve com Marilin Monroe.
Quem é que pesquisou tudo isto?
Incrível: É preciso ter uma nota de U$ 20 dolares

Que coincidência! um simples dobrar geométrico duma nota de $20 dollar revela uma catástrofe, visível em todas as notas de 20 dólares!!!
Coincidência?
Tu é que decides
Se isto ainda não fosse suficiente, isto é o que viste:
Primeiro: o Pentágono a arder...
Depois, as Twin Towers
E olha !!
Três incidentais desastres numa nota de $20 dollar?
Desastre 1 (Pentágono)
Desastre 2 ( Twin Towers )
Desastre 3 (Osama)???

E ainda se torna melhor: 11 + 9 = $ 20 !!
(11/9 = onze de Setembro, o dia dos ataques às Twin Towers e ao Pentágono)
Estranho, hein?
Isto é uma lição de história, sobre a qual as pessoas não se importam de ler!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

LIXO....PROBLEMA OU SOLUÇÃO


“NA NATUREZA NADA SE PERDE TUDO SE TRANSFORMA"
Tomando por base esta realidade, hoje em dia está na MODA todo mundo falar da preservação do meio ambiente, entretanto, ações efetivas de nossa parte, não são tão contundes como deveriam.
Parte disto é porque nem sempre estamos conscientes do tempo de durabilidade, que o lixo que produzimos,leva para se decompor na natureza, então, os dados a seguir, nos darão uma idéia:
. Papel comum: de 2 a 4 semanas
• Cascas de bananas: 2 anos
• Latas: 10 anos
• Vidros: 4.000 anos
• Tecidos: de 100 a 400 anos
• Pontas de cigarros: de 10 a 20 anos
• Couro: 30 anos
• Embalagens de plástico: de 30 a 40 anos
• Cordas de náilon: de 30 a 40 anos
• Chicletes: 5 anos
• Latas de alumínio: de 80 a 100 anos
São inúmeras ocasiões, que pela ocorrência de chuvas, as cidades sofrem alagamento, os quais são oriundos pela NÃO consciência das pessoas, que acabam jogando o lixo na rua e estes entopem bueiros e galerias de águas pluviais e as conseqüências nem precisam de explicação.
No Brasil, são geradas diariamente 241 mil toneladas de lixo e destas 90 mil é de lixo domiciliar.( dados não atualizados)
Curitiba foi a primeira capital que se preocupou com o problema e á anos atrás criou a campanha do LIXO QUE NÃO É LIXO que permanece até hoje e continua recebendo título de campeã na reciclagem do lixo.
A partir daí, outras cidades brasileiras passaram a adotar o mesmo procedimento, o que originou outra atividade, proporcionando renda á famílias carentes, que ainda hoje, são pessoas classificadas como CATADORES DE LIXO, no mais puro preconceito e desvalorização do ser humano.
Infelizmente, grande parte de nossa sociedade é hipócrita, mesmo porque, são os primeiros á poluir as ruas descartando seus lixos, como já foi apresentado um programa de televisão, demonstrando tal comportamento.
Mais as coisas aos poucos estão melhorando, pois mais de 50% do lixo ORGÂNICO domiciliar, devidamente separado, pode ser transformado em adubo e para tanto, várias cidades já possuem usinas de compostagem.
E para finalizar, nossa contribuição está baseada no seguinte:
Auxiliarmos na redução da exploração de recursos naturais, pelo retorno de materiais ao ciclo econômico;
Reduzir a quantidade de lixo que necessita de disposição final, aumentando a vida útil dos aterros sanitários;
Separarmos o lixo orgânico, para que sofram o processo de compostagem, já mencionados, enfim adotar como norma a questão dos “4R”:
“REPENSAR -REDUZIR -REUTILIZAR - RECICLAR”

domingo, 4 de julho de 2010

MEIO AMBIENTE E PRESERVAÇÃO








Tráfico de Animais Silvestres
Na última quarta feira 30/06, pelo menos na imprensa Paranaense, foi divulgada a notícia a maior apreensão de mais de 10 mil pássaros silvestres, bem como,a prisão da maior quadrilha de tráfico dos mesmos, numa chácara de propriedade de Marcio Rodrigues em S.José dos Pinhais-RM de Curitiba, que possuia uma criação ilegal de aves, quadrilha esta que também participavam:
- Sérgio Filardo, coronel da PM/PR e que comandou Força Verde por dois anos;
- Sérgio Busato, conselheiro do Tribunal de Contas do Paraná;
- Harry Teles, diretor administrativo do Instituto Ambiental do Paraná (IAP)
- Jackson Vosgerau, diretor de fiscalização do IAP.
Eles seriam facilitadores da atividade ilegal.
Segundo o Ibama, as aves encontradas no cativeiro acima estavam em excelente condição, mas podem ter sofrido maus tratos durante o esquema de tráfico. A quadrilha possui duas empresas de fachada para lavagem de dinheiro.
Com certeza, devemos aplaudir o desempenho de nossas autoridades ambientais, porém como não foi explicado na notícia, fico pensando, qual será o destino destas aves?
Se elas forem simplesmente devolvidas á natureza, penso que medida de tal êxito, se tornará profícua, uma vêz que muitas foram criadas em cativeiro e se lançadas no meio ambiente, provavelmente terão como destino a morte, pois, não saberão como encontrar alimentos na natureza.
Assim,torço para que elas passem por um aprendizado neste sentido.
Mais tentando saber algo mais a respeito, acabei encontrando na Internet, outra notícia também de suma importância, que passo á reprdozir a seguir:
Nova Lei do Código Florestal Brasileiro:
Segundo consta, a comissão formada para estudo na modificação da mesma, é composta em sua maioria por da bancada RURALISTA, que querem aprová-la, no sentido de atender apenas os seus interesses e como sempre O PRIVILÉGIO DE POUCOS, ESTÃO ACIMA DO INTERESSE DE MUITOS.
"Os ruralistas contra a lei"
Apesar de ser uma lei importante para a sociedade, há uma imensa pressão de parte do setor agropecuário por sua modificação. A razão da insatisfação é que, após muitas décadas de esquecimento, ela começou a ser aplicada. O pressuposto de que a conservação de florestas é algo que interessa à sociedade, expresso logo no primeiro artigo da lei de 1934, é atualizadíssimo
Com a edição, em 2008, de um conjunto de medidas voltadas à implementação da lei, algumas lideranças do campo, capitaneadas pela Confederação Nacional da Agricultura – CNA e com o apoio do Ministério da Agricultura e Pecuária – pasta loteada para a ala "ruralista" do PMDB - passaram a pressionar por sua revogação. Mas eles não jogam às claras e não falam nesses termos. Alegam que a lei é ultrapassada, que não tem base científica, que é impossível de ser aplicada e que atrapalha o desenvolvimento do país.
Algumas de suas propostas são:
ampla anistia a ocupações ilegais, inclusive em áreas de risco;
a compensação de RL a milhares de quilômetros da área onde originalmente deveria estar;
o fim de qualquer tipo de proteção a encostas e topos de morro;
a possibilidade dos estados diminuírem (jamais aumentarem) a proteção às matas ciliares;
o aumento do desmatamento permitido na Amazônia, dentre outras propostas que, por se basearem em interesses setoriais imediatistas, vão na contramão da história e atentam contra os interesses de toda a sociedade, inclusive dos produtores rurais.
Mais ao contrário do que afirmam os ruralistas, simplesmente esquecer o que aconteceu e, com uma canetada, regularizar todas as ocupações ilegais hoje existentes, não é a medida mais responsável, embora seja a politicamente mais tentadora. Aceitar as propostas de anistia significa condenar regiões inteiras à permanente falta de água nas épocas de estiagem, a chuvas descontroladas na época mais úmida, aos extremos de temperaturas, à desertificação, à extinção da biodiversidade, aos deslizamentos mortais, às enchentes catastróficas. São eventos que já estão acontecendo em nosso país e cuja reversão passa, dentre outros, pela aplicação do Código Florestal. Sem ele não há como recuperar a Mata Atlântica, hoje restrita a menos de 7% de sua cobertura original e nem como estancar o desmatamento na Amazônia, que ainda tem 80% de sua cobertura conservada.
Dado ao exposto, a organização SOS FLORESTAS, vem fazendo um apêlo á todos nós brasileiros, para enviarmos e-mail, aos nossos "nobres" deputados, demonstrando sermos contrários ás suas pretenções e creio ser esta, uma causa que todos devemos abraçar.
Recomendo ainda aos interessados acessar o site da organização, porque existem outros esclarecimentos, que se colocados aqui, ocuparia um grande espaço.

sábado, 3 de julho de 2010

TUDO EM NOME DA TRADIÇÃO




Hoje vou deixar de falar sobre o comportamento dos políticos e nossas autoridades, para abordar um novo assunto:
'A CAÇA DE BALEIAS E GOLFINHOS'
Existe um documentário chamado a COVA, falando desta tradição japonesa, e se voces quiserem assistir está disponível na Internet, de antemão, posso assegurar que é no mínimo "CHOCANTE".`
Pensei em fazer minha crítica a respeito, entretanto, me lembreu da tradição de outros Países como a Espanha,Portugal e México, relacionado com as TOURADAS, outra barbaridade concordam?
Mais por justiça, não podemos esquecer que aqui no Brasil, também temos as nossas tradições e são muitas á começar pela FARRA DO BOI, bem como pelos RODEIOS, outra brutalidade com certeza. Mais não fica só nisso, que dizer das Rinhas de Galos, Pássaros, Cães e outras BESTIALIDADES?
E a questão pesca predatória? Da caça e contrabando de animais silvestres de todos os tipos?
Tudo isto prova, que Brasileiros,Japoneses, Espanhois, Mexicanos ou Portugueses,em resumo, HOMENS... considerados pela ciência, como animais desenvolvidos mentalmente, demonstramos ser mesmo IRRACIONAIS e devíamos nos ENVERGONHAR de praticarmos tanta maldade contra todas as criaturas, certo?

terça-feira, 22 de junho de 2010

CURITIBA-CAPITAL ECOLÓGICA DO BRASIL-3




Mais locais turísticos de Curitiba

CURITIBA-CAPITAL ECOLÓGICA DO BRASIL 2




Continuando com as belezas da Capital Paranaense

CURITIBA-CAPITAL ECOLÓGICA DO BRASIL




Mesmo que eu seja considerado um bairrista e sem querer desmerecer as belezas de outras Capitais neste imenso Brasil, não é a toa que Curitiba merece tal título, pois aqui temos lugare de destaque entre as capitais mais inovadoras do mundo. Curitiba apresenta um eficiente transporte público, ciclovias, praças e parques bem cuidados, ruas limpas, ótima programação cultural e muita gente boa. O friozinho é ideal para curtir os bons restaurantes tanto no centro da cidade e nos bairros, sendo os mais famosos aqueles localizados no bairro Santa Felicidade, onde alem da comida típica italiana, oferecem outras variedades.
Entre as atrações turísticas temos vários locais, como alguns que vamos destacar através das fotos, uma pequena amostra.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

BELEZAS DO PARANA




São tantas as maravilhas da Natureza neste nosso Brasil, tal como diz a música:
"Moro num pais tropical, Abençoado por Deus" e a seguir,algumas de nossas belezas Paranaense, como a famosa Vila Velha, Furnas e Lagoa Dourada, localizadas no município de Ponta Grossa a 100km de Curitiba. Apenas como curiosidade a Lagoa Dourada se liga de forma subterrânea com as Furnas, que vistas de perto até parece nos levar á um período pré histórico.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

PESCAR ALEM DE ESPORTE É UMA ARTE




Como é de se esperar, as tecnologias estão presentes em várias necessidades da vida moderna e no seguimento de pesca, não podia ser diferente.
Mesmo para as modalidades de pesca tradicionais, hoje contamos com inúmeras novidades, entre as quais a possibilidade de trocar nossas antigas varinhas de bambu, por outras.
A variedade de marcas e modelos é enorme e todas atendem uma principal necessidade:
Facilidade no transporte e alem desta, a durabilidade, menor peso, etc.
Outros acessórios tais como linhas, anzóis, chumbo e flutuadores, também estão disponíveis.
Há quem se dedique ao uso de iscas artificiais, onde há uma boa variedade de modelos, cada um, atingindo uma finalidade ou adequado ao peixe escolhidos na pescaria e por extensão novos molinetes e carretilhas recomendadas ao uso das mesmas.
Num certo sentido, pescar vem se tornando um esporte relativamente “caro” pois alem dos custos na aquisição ou escolha de equipamentos, significa outros gastos, alem daquele considerado normal numa pescaria.
O interessante nisto tudo é o seguinte:
Será que é preciso reaprender a pescar?
O Peixe se tornou mais sofisticado?
Porque diante de tantas novidades, parece cada vez mais difícil capturá-los, quando deveria ser o contrário?
Na verdade, hoje graças aos meios de comunicação em especial aos inúmeros programas de pesca, são muitos os iniciantes no esporte e por isso, inexperientes.
Alguns gastam verdadeiras fortunas, comprando uma variedade enorme de artigos de pesca, sem no entanto, saber como e quando usá-los.
Então, a prudência recomenda:
“Antes de você sair por aí, comprando tudo que você acha importante, procure escolher um determinado tipo de peixe que deseja pescar e comprar os equipamentos e acessórios necessários á pesca do mesmo”.
Para saber quais são, procure informações com pessoas experientes no assunto, incluindo vendedores de lojas, é claro os honestos.
E daí, parta para luta, mais desde já saiba, pescar é um esporte que requer paciência, dedicação e persistência, falou?

domingo, 13 de junho de 2010

PESCA DA TILÁPIA- ÚLTIMAS ORIENTAÇÕES



Em tudo que foi exposto nos artigos anteriores, o objetivo é demonstrar que a pesca da tilápia em represas é feita de detalhes, restando então, as últimas orientações a saber:
ISCAS E CEVAS:
a) Bicho da Laranja: Usar de 3 a 6 unidades em cada anzol;
b) Minhoca Comum: Inteira presa no anzol pelo meio do corpo.
Para estas iscas, as cevas serão as rações em geral, lembrando daquela que melhor atrai e mantém o peixe no pesqueiro em conjunto com farelo de trigo e quirera;
c) Milho verde: um único grão em cada anzol e é obvio que dele será a ceva, então cortar os grãos no sentido vertical da espiga e depois de retirados com uma faca afiada ou estilete, lançar em pequenas quantidades no pesqueiro.
SUPORTE PARA VARAS: Já que a pesca é de espera, esta é a importância dos mesmos;
PASSAGUÁ OU COADOR: Facilitam a captura dos peixes maiores, bem como a retirada dos anzóis dos mesmos;
FLANELA: Serve tanto para segurar as tilápias, evitando seus espinhos dorsais e obviamente para limpeza das mãos e demais acessórios;
SAMBURÁ: A menos que se pratique o pesque e solte, no caso de levar algum exemplar para consumo, ele serve para manter o peixe vivo durante a pescaria;
LANTERNA: Na pesca noturna é utilizadas para vários fins, incluindo sair e voltar ao pesqueiro, porem, nunca iluminar a água do pesqueiro, para não espantar os peixes.
CADEIRA: Pelo fato de ser pesca de espera, não há o que comentar.
GUARDA SOL: Sua utilização é obvia;
LONA PLÁSTICA: No caso de permanecer longo período pescando, serve para formar uma espécie de barraca sobre o guarda- sol.
CAIXA DE PESCA; Com os acessórios sobressalentes: anzóis, linhas, chumbos, flutuadores, alicates e outros indispensáveis em cada pescaria.
Nem seria preciso mencionar, mais todo lixo que produzirmos durante a pescaria, deve ser levado á um lugar adequado, isto demonstra a consciência do pescador com relação a preservação do meio ambiente.
Todas orientações, demonstram que pescar tilápias não é tão simples e fácil como alegam alguns, portanto, a prática constante que transforma qualquer pescador em tilapeiro, concordam?

PESCA DA TILAPIA COM CAPIM E OUTRAS ISCAS




No artigo anterior, dei dicas da pesca diurna com capim.
Agora usando as mesmas iscas, mais no período noturno, então, neste caso o material também muda, pois lembrar que a noite as tilápias encostam-se ao barranco, então o comprimento das varas pode ser menor, incluindo que nesta modalidade, substituem-se as bóias de isopor por penas de madeira, na cor branca.
Outro detalhe neste caso é que devemos providenciar a ceva do próprio capim:
a) Para isto, fazer um maço razoável do mesmo, amarrando com um elástico;
b) Depois amarrar novamente com uma cordinha de nylon, deixando uma sobra, onde se amarra um peso, para afundá-lo.
c) O maço deve ser lançado na água, antes de anoitecer, de preferência numa distância de até 30cm antes da ponteira da vara do meio, isto evitará que os anzóis das linhas se enrosquem no mesmo;
d) Considerando o barulho que o mesmo fará ao cair na água, certamente, espantará os peixes, que só retornaram horas mais tarde, então, depois de algum tempo, iscar os anzóis e observar a ação dos peixes;
e) Na existência das mesmas, não haverá beliscada, a tilapia engole a isca, levando a pena ao fundo, então é hora da fisgada.
Por ser pesca noturna, é preciso ascender o refletor no anoitecer, regulando a luminosidade, que deve ser constante durante todo o período de pescaria, portanto, não ficar aumentando ou diminuindo a mesma, pois isto espantará os peixes.
O material preparado da forma acima, também é o ideal para ser usado com outras iscas, já mencionadas anteriormente, entretanto, devemos lembrar que no caso das mesmas, o comportamento do peixe será outro ou seja: as tilápias maiores, fazem um pequeno movimento na pena para baixo ou para os lados.
Perder este momento, é perder a isca e o peixe.
Há outras dicas importantes, que serão mencionadas num próximo artigo.

PESCA DA TILAPIA COM CAPIM E ERVA DOCE


Posso garantir por experiência de mais de 15 anos, pescando tilápias em represas, que estas, são as únicas iscas que elas as carregam para o fundo na pescaria, durante o dia ou a noite, assim sendo, vou dar dicas como preparar o material, na pesca diurna:
1) Antes de tudo, é preciso que o pescador escolha um local longe dos demais, pois é necessário espaço e silêncio;
Espaço, porque nela utilizamos varas mais longas, no máximo, três unidades, com comprimento superior a 4,00 metros;
Silêncio, pelo já citado anteriormente e para não denunciarmos nossa presença, que se consegue se levarmos em conta o comprimento da linha, somado ao da vara, atendemos esta necessidade.
2) O preparo da linha será da seguinte forma:
a)O comprimento da mesma, pode ser no tamanho da vara;
b)Nela será colocada uma bóia de isopor de 2 a 3 cm;
c) Mais um chumbinho leve, que vai parar num minúsculo girador, amarrado na linha mestre e na outra extremidade do mesmo, amarra-se outro pedaço de linha de até 50cm (pernada), onde na metade da mesma, faz-se um anel de uns 10cm, que depois de cortado, amarra-se um anzol e no final da pernada outro.
3) DICA DA PESCA:
a) Regula-se a profundidade da bóia até 1,00 metro;
b) Lança-se a linha na água, numa distância de até 2,00 metros da margem, a favor do vento e este se encarrega, de levar a bóia e os anzóis iscados para próximo do barranco;
c) Lá as tilápias miúdas atacam a isca, levando-as para o fundo, onde se encontram as maiores, que por sua vez, engolem as mesmas, fazendo a bóia desaparecer na água, então, é a hora da fisgada.
4) TIPOS DE CAPIM E COMO ISCÁ-LOS NOS ANZOIS:
a) PICUIO; Ele dá numa touceira com vários ramos e em cada um deles, várias folhas, das quais se utiliza somente as duas últimas, as mais tenras, cortadas num tamanho de até 10 cm e o anzol é preso no caule das mesmas;
b) PAPUÃ: Ele também dá numa touceira, só que com várias folhas, que são utilizadas de duas formas:
1ª) Corta-se a ponteira da mesma em uns 10cm, faz-se um nó, onde prende-se o anzol;
2ª) Divide-se a mesma no meio e procede-se da maneira acima.
c) ERVA DOCE: Usa-se somente a ponteira de cada ramo, prendendo o anzol no meio da mesma.
OBS: as sobras de capins e erva doce, podem ser picados e lançados na água como ceva.
Simples, concordam?
Entretanto, o pescador deve ter muita paciência e persistência, pois as tilápias menores detonam muitas iscas.
Estas iscas podem ser usadas na pesca noturna, com algumas mudanças, que falarei num próximo artigo.

PESCA DA TILAPIA- DETALHES IMPORTANTES



No artigo anterior, dei algumas informações, que agora vou complementar:
Conforme mencionei, elas são ariscas, então o primeiro cuidado do pescador é manter o silêncio desde a chegada e durante a pescaria, ou seja:
a) Não ficar se movimentando no barranco;
b) Não deixar que entulhos ou terra caiam na água na preparação do pesqueiro.
c) Evitar que cores chamativas sejam utilizadas nas roupas e acessórios de pesca, tais como: amarela, laranja, vermelha ou branca, elas são notadas pelos peixes na pesca diurna.
Quanto a preparação do material de pesca, recomendo:
a) Uso de linhas de boa procedência. As mais finas dão melhor produtividade, entretanto, podem arrebentar conforme o tamanho do peixe, então, fazer uma combinação:
1) sendo que as diâmetro maior, até 20cm além do cabo da vara e
2) no final da mesma, amarrar o girador. Na outra extremidade do mesmo, uma mais fina em até 20cm, onde o anzol, será amarrado.
b) Chumbo: Além do peso adequado ao flutuador, eles devem correr soltos na linha principal. Se ficarem presos, a tilapia ao sentir o peso dos mesmos, larga a isca.
c) Os flutuadores existem variedade de modelos, porém, de acordo com a modalidade de pesca ou condições de vento, as penas plásticas ou de madeira, são as mais adequadas e a noite, as de cor branca, são as mais indicadas, pois a visualização é facilitada quando iluminadas com a luz do refletor á gás.
Quanto as iscas informadas, o mais importante é saber qual delas o peixe está preferindo;
Sobre as cevas, a questão será a mesma, aquelas que mais atraem e conservam o peixe no pesqueiro, entretanto, isto não basta.
É preciso saber dosar a quantidade á ser lançada, pois em excesso, fará com que os peixes dela se alimentem e rejeitem as iscas e na falta, o peixe pode se deslocar á outros pesqueiros.
Quanto às varas, seguir orientação relacionada á profundidade do pesqueiro e a quantidade das mesmas serão de acordo coma preferência do pescador.
Na verdade em qualquer tipo de pescaria, observar os detalhes é que importa, existem outros, que deixarei para o próximo artigo.

A PESCA DA TILAPIA



Atualmente existe uma gama de sites, fóruns, programas e revistas direcionadas á pesca, abordando várias modalidades de pescaria, bem como, o interesse de pescar inúmeros tipos de peixe, portanto, não se pode afirmar que uma modalidade é melhor que outra ou um tipo de peixe é mais emocionante que os demais.
O que tem sido comum é a utilização de equipamentos e acessórios de pesca mais modernos e principalmente, tornando a pescaria amadora, antes de tudo esportiva, o que significa a prática do pesque e solte.
Sem dúvida, esta nova consciência, que vem sendo adotada, por um maior número de pescadores, tem por objetivo, proporcionar ás futuras gerações a continuidade do esporte e muito mais que isso, a preservação do próprio peixe e em extensão, a do meio ambiente.
No que tange á pesca da tilápia, este peixe se tornou a coqueluche dos famosos P&P, pois nestes locais, é colocado em grande quantidade em tanques relativamente pequenos, o que facilita pescá-los.
Mais mesmo neles, tem muito pescador que tem dificuldade, pois nem sempre estão atento á duas de suas principais características: “ariscas e matreiras”, então o grau de dificuldade é ainda maior, quando se tenta pescá-las em represas, que são locais amplos e profundos.
Embora possa ser pescada com iscas artificiais, usando-se molinetes ou carretilhas, a preferência maior, tem sido pela pesca de barranco, utilizando-se varas de mão.
São ariscas, porque notam qualquer alteração no seu ambiente, assim dependendo do comportamento do pescador, somem do pesqueiro;
São matreiras, porque os exemplares maiores conseguem tirar as iscas utilizadas sem denunciar sua presença.
Outro fator que interfere na pesca é a utilização correta dos materiais de pesca, a saber:
VARAS: aqui não é importante a marca ou sua composição e sim o comprimento que irá variar de acordo com a profundidade do pesqueiro, portanto:
a) Pesqueiros fundos: utiliza-se varas entre 2,60 a 3,00 metros de comprimento, pois a tilápia costuma encostar-se ao barranco, principalmente na pesca noturna.
b) Pesqueiros rasos: Varas acima de 3,60 metros
LINHAS: De diâmetros que varia entre 23 até 35mm;
ANZOIS: modelos chinú ou marusseigo 2,3 ou 4 ou similares;
FLUTUADOR: Penas ou bóias;
CHUMBO: De peso proporcional ao flutuador utilizado.
ISCAS: Existe uma variedade que vai desde: bicho da laranja, minhoca comum, milho verde em grãos, capim e erva doce e no caso das tradicionais massas, não é recomendado pela existência enorme de peixes menores, que obviamente as detonarão.
CEVAS: Ração de coelho, de peixe, de cavalo com melaço, farelo de trigo, quirera e milho seco, milho verde, capins e erva doce.
O que foi exposto, é somente as bases para a pesca da tilápia em represas, existe muito mais, que ficará para um próximo artigo.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

LICENÇA PARA A PESCA AMADORA


Amigos:
É possível que muitos de vocês não concordem com minha postura ou posição, seja ela relevante ou não, na verdade, pelos inúmeros artigos postados que tenho lido nos foruns que participo, em que abordam a questão da pesca predatória, é possível afirmar, a ineficiência ou inexistência de fiscalização sistemática preventiva, por parte das autoridades, no nosso seguimento, mesmo porque, a vasta extensão territorial de nosso País, não permite que elas estejam todo tempo em todos os lugares e as existentes,se dão, em ocasiões pontuais e geralmente quando o problema ultrapassa os limites do aceitável.
Como sempre, nestas ocorrências, mesmo havendo punições ou multas, pode haver a reincidência, então o processo se repete, mais os danos causados, já foram feitos.
Então, por isso e em razão disso, no meu entender, esta licença que é exigida, na verdade, não passa apenas de mais uma taxa, entre tantas outras que nos obrigam a pagar, para atender a fome de arrecadação de nossas autoridades.
Para onde vai e onde este dinheiro é investido?
Se a resposta for: para aparelhar melhor o funcionamento destes órgãos, alguma coisa aí está errada, concordam?
Ora, a cada dia que passa, o pescador amador em qualquer modalidade de pesca, está sendo incentivado a praticar o pesque e solte e se for para consumir o produto de sua pescaria, que este seja apenas a quantidade suficiente para consumo imediato.
Quem pesca por esporte, já está dando dois maiores exemplos: amor á arte de pescar e por extensão, á natureza e sua preservação.
Quais os custos de uma pescaria?
Quanto gastamos movimentando o seguimento com compras de nossos equipamentos e acessórios?
Quanto de renda geramos direta ou indiretamente no turismo de pesca?
Ficando só nisso, creio que os recursos que dispensamos, já é suficiente, para que fosse exigido sim, a licença de pesca, mais de forma gratuita.
O que vocês tem a dizer?

sábado, 22 de maio de 2010

MANUTENÇÃO DE LAMPIOS E REFLETORES A GÁS



Todos nós que pescamos, eventualmente acampamos, portanto, utilizamos lampiões, fogareiros e refletores a gás.
Estes equipamentos, apesar de existir no mercado, peças de reposição, sempre precisam de manutenção preventiva, para melhor funcionamento e vida útil e não existe muita dificuldade para realizá-las, sendo a mais importante, a limpeza do giclê que regula a saída do gás e pode ser comprado avulso.
Entretanto, nem sempre se trata deste o problema e sim da regulagem de entrada de ar, que geralmente são aberturas no corpo do equipamento, que está coberta por uma braçadeira ou arruela rosqueavel.
Mas o giclê está acoplado no registro existente nestes equipamentos, geralmente quando se compram os mesmos, vem junto uma “chave de boca” própria para retirá-lo do registro.
O giclê é uma espécie de parafuso e na sua cabeceira existem “furinhos microscópicos” que podem ser visto a olho nu. Devido a espessura destes furos, normalmente eles se entopem com algum tipo de sujeira contida no próprio gás.
NUNCA se deve usar agulhas, mesmo as mais finas para tentar desentupi-los, pois, por mais finas que sejam acabam estragando esta peça.
O melhor é retirá-los do registro e com um alicate de bico, fazer pressão na válvula do botijão de gás (liquinho), que o próprio ar comprimido do mesmo, tem força suficiente para limpá-lo.
Uma indicação que o giclê precisa de limpeza é quando se nota que a luz do refletor ou mesmo a chama do gás está amarelada.
Outro item importante, que deve ser trocado quando necessário, é um anel de borracha, que vem no registro de gás, ele é facilmente encontrado no mercado, ele é responsável para impedir que o gás escape pelo registro.
Na falta deste anel, temporariamente pode ser utilizado aquelas fitas de vedação que se usa nas conexões plásticas de encanamentos.
Marcão.

terça-feira, 11 de maio de 2010

quinta-feira, 29 de abril de 2010

OS OCEÃNOS ESTÃO MORRENDO




Bem pessoal, apesar de não ser mais adépto da pesca no mar, o assunto agora, está relacionado com o tema, pelos seguintes motivos:
1) Soube por outras fontes, que no rítmo que anda, os estoques pesqueiros dos oceânos, já estão sendo extintos e logo a pesca comercial, nos modos como hoje acontece, tambem será extinta.
2) Não só ela está contribuindo para isso, mais tambem a POLUIÇÃO DOS MARES, que de acordo com estudos científicos, afirmam que até os anos 2040, os únicos sobreviventes dos oceânos, serão as águas marinhas.
3) Tais estudos tambem afirmam que atualmente todos os países do planeta, só se preocupam com a poluição ambiental de seus territórios e no que tange á seus mares, pouco se importam, pois consideram que o OCEÃNO, é propriedade de todos, portanto, eles se tornaram O LIXO DO MUNDO.
Por outro lado, nas minhas pesquisas na Internet, encontrei uma reportagem que vou reproduzir, pois ela está ligada ao nosso País:
-0-0-0-0-0-
O mundo esta em crise!. O chamado "aquecimento global" virou capa de jornal e mesmo assim vemos poucas iniciativas por parte dos governos para mudar esse cenário.

No Brasil esse problema tem sua cara estampada no desmatamento da floresta Amazônica. Só que o problema não é apenas a Amazônia. Essa questão aborda outros ecossistemas como o Oceano.

O oceano corre o risco de perder seus mistérios se não pararmos de destruí-lo e fizermos algo para salvar o que resta.


A gestão pesqueira no Brasil é desorganizada o que encarece o peixe e aumenta o desperdício. Criar um Ministério da Pesca como nosso atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva fez não resolve o problema, pelo contrario, pode agravá-lo, pois este Ministério se encontra acima do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Já podemos ver o efeito da pesca excessiva: 80% da reserva pesqueira já esta ameaçada! O consumo de certos peixes como o Atum,Cação,lagosta e camarão, tem de ser interrompido imediatamente! Será preciso no mínimo 10 anos para que os estoques se recomponham.

Por outro lado, é necessário parar para refletir sobre nossas atitudes, ou seja: Repensar - reduzir - reutilizar - reaproveitar e reciclar e esta, é a última que deve ser feita.
COMO PODEMOS MUDAR ESTA SITUAÇÃO?
É SIMPLES:
1) temos que cobrar do governo políticas que efetivamente protejam o meio ambiente como um todo;
2)E de nossa parte,temos que agir no nosso dia a dia com consciência ambiental tomando pequenas decisões como não utilizar copos plásticos (ou materiais descartáveis em geral), utilizar lâmpadas econômicas, tomar banhos curtos, etc), nos ajudar.
O aquecimento da atmosfera não vai destruir o mundo, mas sim a espécie humana.
O planeta já sobreviveu impáctos de asteróides e eras do gelo, o aquecimento global só mudaria a forma de vida que vive nele, pois ele continuaria a viver com ou sem nossa espécie. Tudo que estamos fazendo é para a nossa sobrevivência, pois somos animais extremamente egoístas.
POSTADO POR LUCCI MARCADORES: AQUECIMENTO GLOBAL, GREENPEACE, OCEANOS
-0-0-0-0-0-0-0-
Ora minha gente, aí está o caminho, normalmente achamos que são de "outros" tais responsabilidades, então, não é atoa o que temos assitido nos noticiários recentes, começando pelas enchentes que alagam as cidades, trazem prejuízos de todas as ordens aos moradores e junto as doenças.
O que causa isto? O lixo jogado nas ruas, nos rios,etc.
Além disso, existe tambem a construção de moradias em lugares impróprios, sem desmerecer que na maioria das vezes, os moradores não tem outras opções, mais de qualquer forma, são os mais prejudicados.
Assim a intervenção e apoio do poder público, sempre é ineficiente ou inexistente e somente depois que tragédias acontecem, prometem tomar providencias, mais fica apenas no discurso e na promessa, logo esquecidas, até que nova tragédia aconteça, como estas que temos visto em Angra dos Reis, em Niteroi a mais recente, se bem que a culpa tambem deve ser atribuida aos moradores, pois se arriscam construindo em locais inadequados como as encostas, até como já disse, por falta de opção, mais são eles que iram sofrer a perda de seus entes queridos e pior:
É provável que mesmo estes, voltem a cconstruir nos mesmos locais, então se confirma aquele ditado:
" ERRAR É HUMANO, PERSISTIR NO ÊRRO É BURRICE", eu inverteria o final dizendo É IRRESPONSABILIDADE.
Para muitos de nós que não tivemos ou temos diretamente tais problemas, nem sempre é fácil avaliar quanto sofrimento, porem, tambem estamos contribuindo para que eles aconteçam, se levarmos em conta o acima exposto.
Então só nos resta valorizar algo que tem sido amplamente discutido:
" RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA".
Cada um com sua consciência.
Marcão.

sábado, 24 de abril de 2010

RIO IGUAÇU - DA POLUIÇÃO Á BELEZA



É meus amigos, devemos brindar pelas forças da natureza, que independente de cobrar o seu justo preço, ao descaso dos homens, ainda se recompõe, com suas maravilhas.
Para nós Curitibanos e até muitos Paranaenses, temos este rio majestoso, tão judiado pela ação humana a partir de suas nascentes aqui na RM de Curitiba, onde em suas margens alem da degradação da mata ciliar, o que mais se encontra é lixo urbano de todas as categorias, que vai se espalhando e acumulando ao longo de seu trajeto, por vários municípios, onde a expansão imobiliária tomou conta e o descaso dos moradores aliado ao das autoridades, nos oferece um quadro desolador, em particular quem se dispõe a visitar nosso Zoológico, pode constatar as quantas andam seu leito, que além do fedor dos esgotos, pode constatar nas cavas de areia desativadas a existência de vida, tal como de bandos de capivara, provávelmente oriundas daquele parque.
Mais tal conseqüência se estende por muitos quilometros, pelo que me lembro, até o município de Porto Amazonas, que fica a uns cem quilometros da Capital, isto por estrada, por rio é muito maior e até lá, dá para sentir o ar fétido, com suas margens assoriadas e tudo mais.
Porem, já houve tempos áureos, onde ele era navegável a partir daquele município, alias varias cidades em sua margens nasceram, cresceram e prosperarão, pois na época, o rio servia de estrada, então barcos a vapor, transportavam suas riquezas:erva mate, madeira e até pessoas. Hoje isto ficou só na lembrança.
Mais pelo que soube, a partir do minicípio de S.Mateus do Sul, ele volta a se recuperar, graças á vários locais que em seu leito existem pedras e cachoeiras e isto fáz com que a vida floresça, sua fauna e flora e mata ciliar voltam á ser exuberantes, até que no seu caminho,encontra seu destino final, sua fóz, conhecida muldialmente, uma das maravilhas do mundo: As Cataratas do Iguaçú.
Pois é meus caros, ele não é o único e quem sabe um dia, se realmente chegar a acontecer, nossas autoridades, resolvam investir na recuperação de todos eles, então nossos filhos, netos, bisnetos, etc, possam vivenciar a beleza destes locais desde sua nascente.
Quem viver verá.
Marcão.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

PESCARIA SOB A PERSPECTIVA DA TILAPIA


Então tilapeiros:
Digamos que pudesse existir tal perspectiva, sobre a ótica do peixe, então:
Lá estão eles nadando tranquilamente, de repente o líder do cardume para e avisa os demais:
Olha lá pessoal, chegou um pescador, está garantida a bóia, vamos nos aproximar.
O cara ainda está se preparando, vamos aguardar.
Dali a pouco, um barulho na água, o pescador está cevando o pesqueiro.
O peixe chefe fica aguardando a ceva afundar.
Beleza pessoal, o cara jogou ração, vou experimentar...
Ataquem pessoal, esta é docinha, parece que tem mel, vamos encher a pança.
Opa! Mais ceva, qual é agora?
Olhe gente! É milho verde novinho cortadinho, beleza, hoje é o dia de sorte.
Mais ceva pessoal! Olhem o maço de capins e erva doce chegando ao fundo, que banquete, hoje vai dar pra tirar a barriga da miséria.
Êpa! Tava demorando, o cara resolveu lançar os anzóis na água, ele quer nos ferrar.
Vamos ver que isca está usando?
Minhoca turma! E olhem que minhoca deliciosa, quem se arrisca?
Vai você garoto, diz o Peixe chefe ao peixinho.
Eu não... Vou acabar me fisgando naquele anzol.
Não tenha medo menino, o máximo que pode acontecer é você ser pego, mais como é pequeno o cara vai lhe devolver.
É mais, não vai ser você que ficará com a boca machucada.
Não liga garoto, isto faz parte de nossa vida, com o tempo você se recupera.
Não sei não, porque não vai você chefe?
Ora menino, como é que você vai se tornar um peixe de verdade, se nunca quiser se arriscar?
Então para incentivá-lo preste atenção aqui no mestre:
1º) Chegue bem pertinho da minhoca, examine o melhor lugar para morder, assim viu?
2º) Não seja guloso, tire só um pedacinho, certo?
Ok chefe e agora?
Bem o esquema é o seguinte:
O nosso sucesso é comer toda minhoca, mais ter o cuidado de não nos denunciarmos, olhe lá em cima, está vendo?
Vendo o que chefe?
Aquela coisa na flor da água?
O que aquilo?
Aquilo se chama bóia e serve para mostrar ao pescador, que estamos comendo a isca colocada.
Mais como assim chefe?
Preste atenção:
Vou dar mais uma beliscada na minhoca, mais fique olhando a bóia, certo?
Ok vamos lá, estou tirando mais um pedacinho, o que você viu?
É aquele troço deu uma mexidinha.
É isto aí meu garoto, ta pegando o espírito da coisa, que tal tentar?
Será chefe, não vou me ferrar?
Ora você viu como fiz, faça o mesmo.
Falou chefe, lá vai...
Chefe, chefe e agora, socorro o cara me fisgou, me acuda.
Depois de alguns minutos, lá veio o peixinho de volta.
É chefe, você tinha razão, o cara me devolveu.
Não falei, agora é minha vez, vou passar a perna no cara.
Nhac...
Chefe...Chefe... Volte?
Não dá meu filho, me ferrei.
Moral da estória:
O peixe morre pela boca.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

INVENTANDO




Ola Amigos Tilapeiros e Pescadores em Geral!
Já fáz alguns dias que escrevi o último artigo neste blog, andei sem inspiração e assunto, então, um companheiro que acessa os foruns que participo, me mandou um email, falando como pescam tilápias na Represa de Furnas, mais precisamente sobre o equipamento que usam.
Por outro lado, tenho outro amigo pescador, apelidado de MOSQUITO,(ele é baixinho e magrinho) e frequentamos o Pesqueiro Santa Cecília, que tambem fez uma modificação nas suas varas de pesca, ou seja:
Adaptou uma carretilha na vara telescópica de mão, fazendo com que a linha, passe pelo interior da mesma e a montagem dela, é do modo tradicional(pena de madeira, chumbo e anzol).
A vantagem deste sistema é que pode-se usar linha fina (20mm), pois no caso de pegar um peixe grande, pode brigar com o mesmo até cansá-lo, pois tem linha sobressalente no carretel da carretilha.
Á Propósito disto, numa ocasião, ele fisgou uma tilápia de 4k, no pesqueiro acima e ficou uns 30minutos brigando, até ela que cansou, então, ao retirá-la da água com seu passaguá, na hora de levantá-lo, o mesmo quebrou, entre o cabo e o coador, mais conseguiu num movimento rápido puchá-lo para margem e assim a capturou.
A única coisa que vejo atrapalhar é quando a linha que passa no interior da vara prende nas emendas, mais com "jeitinho e cuidado" sana-se o problema.
Como sempre tive vontade de inventar alguma coisa semelhante e depois da informação do amigo da Represa de Furnas, resolvi montar uma vara telescópica, adaptando na mesma, molinete e assim o fiz.
Claro que poderia comprar uma vara pronta e um molinete, mais pesquisando os preços na internet, o conjunto mais barato que achei, tinha o incoviniente da vara ser muito curta. As varas maiores, somadas ao valor do molinete, ficava muito caro.
Considerando que tenho umas 40 varas telescópicas de mão, resolvi utilizar 5 delas e montar os conjuntos, então:
a) Selecionei aquelas de comprimento de 3,60 metros;
b) Retirei a ponteira original, de forma que elas ficaram com 3,00metros;
c) Como passadores, usei "olhos" de anzóis, então comprei os da Marine Sport 10/0, cujo olho tem aproximadamente 5mm. Cortei sua haste num tamanho de =ou- 2 cm e fixei-os, sendo um no interior da primeira emenda, mais tem um porem:
" Foi preciso cortar esta emenda, até que a grossura da haste, coubesse no interior da mesma, depois colei com super-bond e na seqüência, firmei passando uma linha fina de poliester, de forma que ficou "bem preso" pois tornei a colar com este adesivo.
d) Nas demais emendas, fixei a haste de cada anzol externamente, com o mesmo processo acima, com a vantagem da linha tambem passar por dentro do olho e externamente.
e) Para fixar o molinete, poderia fazer o mesmo, porem achei mais fácil fixá-lo com fita isolante adesiva e resolveu a qüestão.
Minha preocupação alem de economizar, estava ligada ao peso que o conjunto ficaria, então, optei em comprar micro-molinetes. Comprei dois e como já tinha outros treis, deu para montar os 5 conjuntos.
No geral, gastei em tôrno de R$100,00( molinetes, linhas, anzóis, adesivos, fio de poliester,etc), entretanto, se fosse comprar as varas e micro molinetes, com certeza gastraria perto de R$ 300,00.
Deu um pouco de trabalho montar estes conjuntos, mais ficou "parecido" com os conjuntos comprados.(Vide foto anexa).
Agora, só preciso testá-los, apesar que agora, minhas "queridas" tilápias, em razão do nosso clima FRIO aqui de Curitiba, estão "manhosas" e está difícil de pegá-las, mais não custa tentar as carpas, etc.
f) A montagem da linha é de acordo com o processo tradicional acima mencionado e em caso de fisgar algum peixe grande, a briga será conforme já citada.
Se alguem quiser maiores esclarecimentos, já sabem, estou na área.

Marcão.

terça-feira, 6 de abril de 2010

O INVERNO ESTÁ CHEGANDO


Olá tilapeiros de plantão:
Nosso amigo do ceu " O PEDRÃO" tá sacaneando, pois permitiu que uma frente fria lá do RGdo Sul, viesse ao Paraná, em especial, aqui em Curitiba, tanto que a temperatura caiu bastante desde domingo. Segunda fui pescar, nas cavas do Pesqueiro Santa Cecilia, não só eu, mais uma dúzia de viciados. Logo cedo, o tempo estava bom, as águas paradas, logo que cocmecei armar minhas varas, já na primeira armada, deu aquela "corrida", perdi tempo para fisgar e o peixe escapou. Bom sinal, parecia que a ceva que havia feito na semana anterior, estava funcionando. Então tratei logo de armar as 6 varas que uso e é lógico, provocar os peixes, jogando um pouco mais de ração de cavalo com melaço e milho picado no pesqueiro.De vez em quando, uma mexidinha na pena, dava a fisgada e o milho vinha ruido, sinal que as tilapinhas, lambarís e carazinhos estavam ativos. O tempo foi passando, revistar as varas, tudo na mesma, até que comecou a ventar. O recurso foi fazer as penas ficarem quase deitadas no pesqueiro. Dali a pouco, veio o Barbosa, um colega viciado, ver como as coisas estavam indo. Falando com ele, percebi que uma das penas deitou, dei a fisgada e na ponta do anzol, veio uma tilápia de uns 8cm.Como diz a tradição, o primeiro peixe, vai para dentro do samburá, mesmo que depois seja devolvido.Não fazer isto dá azar???O fato que até o meio dia, nada mais aconteceu, então fui fazer um lanche, voltando ao pesqueiro, outra vêz o PEDRÃO aprontou, fez aumentar o vento e com ele uma garôa forte. Armei o guarda-sol para não me molhar, bem como as minhas tralhas de pesca.Durante todo tempo que fiquei pescando, ligeui meu radinho de pilha e fiquei escutando músicas sertanejas e a hora que sempre é informada. Lá pelas 14 horas, como a coisa estava parada, resolvi "puchar o carro", não só eu, mais alguns outros. Resumo da estória, hoje terça feira, amanheceu chovendo, fez um frio prá caracas, a tarde saiu um solzinho e agora, tornou a esfriar. Então companheirada, a menos que daqui prá frente, volte esquentar, infelizmente acabou a temporada de tilápia. Mais voces pensam que vou desistir? Não. Começa a hora de pescar carpas e lambarís, tanto no Santa Cecilia, bem como no Capivari. Na verdade o que eu não posso é perder este emprego.Me aguardem.Marcão.

NO CAPIVARI TEM ASSOMBRAÇÃO



Olá Pessoal!
Andei meio ausente de assuntos de pescaria, até que hoje um novo amigo (Luciano Scheffer) me passou um email, falando de um artigo que escrevi, quando iniciei este blog: A TAMPA DE MARGARINA.
Bem meus caros, conforme citei no mesmo, tratava-se da boca "aberta" de um peixe, ttanto que o novo amigo, tambem a presenciou, alem do meu companheiro Sadi, que tambem falou da mesma, numa de suas pescarias lá no Recanto do Sabiá. Todos concordamos tratar-se da boca de um bagre africano e ponha bagre nisto.Mais o que me leva a escrever, não é o assunto abordado, mais outro acontecido neste ano, no princípio do mês de março, a saber:
1) Como prefiro pescar a noite, na ocasião, num pesqueiro do local, escutei um "urro abafado". Ao meu lado, estava outro pescador e como costume, sempre montamos uma lona sob o guarda sol, formando uma barraca, de forma que não nos enxergamos.Achando que ele estava passando mal, chamei-o e ele demorou a responder. E quando o fêz, perguntei: E aí companheiro, tá com algum problema? Ele perguntou porque? Eespondi: Achei que você estava gemendo! Ele respondeu: Eu achei que fosse você. E tudo ficou por isto mesmo, no entanto, fiquei "matutando" o porque daquele "urro ou gemido".
2) Numa outra pescaria, comentei tal fato com alguns colegas e um deles me contou outra estória:
Que um pescador( amigo em comum) estava pescando em outro pesqueiro do local e tinha ouvido a mesma coisa. Saiu de sua barraca e iluminou as redondezas com sua lanterna, mais não percebeu nada de anormal, porem , impressionado com o fato, subiu para seu carro dormir e no outro dia cedo se mandou.
3) Além desta narrativa, houveram outras:
Pescadores que dizem ter visto "coisas estranhas" ruídos diferente e coisas do tipo. Houve comentários, que na represa existem almas "penadas" que morreram afogadas no reservatório e aparecem para os pescadores, etc, etc.
4) Eu não acredito nestas coisas, entretanto, realmente nas madrugadas pescando,quando solitário,sempre se ouve algum ruído diferente, penso ser algum tipo de animal roedor, sapos, pássaros que dormem nas copas das árvores e até já vi largatos enormes em algumas ocasiões, portanto, fantasmas e coisas do tipo, na m/opinião fazem parte do "imaginário popular".
5) Pelo que sei, o tal "urro abafado" deve ser de um cachorro que vive no local, ele foi abandonado e volta e meia, resolve dormir nos fundos de nossas barracas, pois cobrimos nosso guarda-sol com lonas e este mesmo cachorro, em outra oportunidade, foi dormir na barraca que armei no piso da churrasqueira que uso. Só sei que ele ao dormir, comecou com uns gemidos estranhos, então levantei e o espantei.
Mais se você freqüenta o Capivari, em especial o Recanto do Sabiá, cuidado, pode se deparar com alguma assombração, falou?
Marcão.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

A PÁSCOA


Olá amigos pescadores:
Muitos de nós certamentamente estamos aguardando a chegada do próximo domingo, para curtirmos com nossas famílias, mais esta data. Porem hoje ainda é SEXTA FEIRA SANTA e muitos, estão aproveitando-a por ser o início de um feriado prolongado e o real significado da mesma, quem sabe, não passe apenas de um fato histórico.Claro que estou generalizando, entretanto, na verdade, nenhum de nós fáz a mínima idéia do que tenha sido a CRUCIFICAÇÃO DE CRISTO, exceto é claro, aquilo que vemos pelos filmes que estão sendo exibidos na TV nestes dias, concordam? A moral deste acontecimento, é mostrar, como os homens daquela época agiam, eram muito religiosos, se achavam os escolhidos de Deus e o aparecimento de um outro que se dizia ser FILHO DE DEUS, foi uma blasfêmia. Se acreditarmos que foi um designio de Deus, deixar acontecer tal fato, podemos comparar com o que acontecesse hoje no mundo. Podemos avaliar que aqueles homens eram egoístas,individualistas e só pensavam em seus muitos interesses, certo? Mais não é isto que acontece hoje?Portanto, cabe á cada um de nós, independente de nossa crença, ter este dia para refletir, no real significado da vida. Assim sendo, desejo á todos uma FELIZ PÁSCOA.
Marcão.

terça-feira, 30 de março de 2010

VOLTANDO AOS PESQUE PAGUE


Companheiros da Pesca:
Mais uma vêz torno abordar este tema, desta feita, para dar uma satisfação ou explicação ás pessoas que leram o artigo anterior referente aos mesmos, que possívelmente não prestaram a devida atenção na CITAÇÃO que fiz, dizendo TER PESQUISADO NA INTERNET, os locais relacionados e ainda:
1) Os relacionei no intuíto de divulgação para quem gosta de pescar nestes locais, embora pessoalmente não os conheça, portanto, falar algo a favor ou contra seria muita falta de responsabilidade;
2) Procurei citar os endereços, locais que se encontram e até telefones que estavam disponibilizados quando pesquisei, portanto, sugiro aos interessados, entrar em contáto e pedirem informações, pois cheguei a indicar o nome dos responsáveis pelos mesmos.
3) Apenas posso afirmar, que no passado... e ponha passado nisto...frequentei alguns, que hoje, "os melhores" já não existem, destacando o PESQUE PAGUE COSTA, que na época, oferecia o sistema PESQUE E SOLTE, cujo preço era de R$ 5,00 e tinha grande quantidade de tilápias e o POR DO SOL, nos mesmos moldes, com preço em torno de R$ 10,00 na época, que sempre foram as minhas preferidas. Os demais que nem me lembro o nome, se enquadravam nesta condição. Outros infelizmente não ofereciam nada além de tilapias, bagres africanos e catfisch, carpas, etc, mais eram puramente PESQUE E PAGUE, alguns ofereciam boa quantidade de peixe, o que se tornava inviável em termos de despesa, outros cobravam um determinado preço único, alegando que se podia levar "certa" quantidade de peixe, mais na verdade, era um "engôdo", pois ficava-se o dia todo e peixe que era bom nada. Por esta razão, deixei de frequentá-los.
4) Pelo que sei, por informações de frequentadores é claro, hoje existe o NOVO ORIENTE, FAZENDA IGUAÇU E VALE VERDE, que são os melhores estruturados, tendo peixes que são verdadeiros troféus, além de outras opções aos familiares, entretanto, dizem, que os custos são "salgados"??? Assim sendo, sugiro mais uma vêz aos interessados se informarem a respeito.
Finalmente falando em despesas e custos, fazendo um paralelo entre pescar num destes locais ou numa represa, que como todos sabem, no meu caso é do Capivari, posso garantir que o gasto é de no mínimo R$ 70,00 semanais, entre combustível, entrada, pedágio, iscas e cevas, gás para os refletores, não entrando nas mesmas, a alimentação que geralmente levo de casa e preparo minha própria comida, que obviamente tem algum custo, mais de qq forma, cada um de nós "sabe onde aperta o sapato" e em nome deste nosso esporte, sempre se reserva alguma grana para praticá-lo e para que a "patrôa" não pegue no meu pé sempre tenho a desculpar de dizer: NÃO É GASTO É INVESTIMENTO, sacou?
Marcão.

domingo, 21 de março de 2010

PROGRAMAS DE PESCA E PESQUEIROS

Alô Pessoal!
Já se passaram alguns dias, desde o último artigo que escrevi, entretanto, como de hábito continuo pesquisando na Internet assuntos gerais sobre pesca e pescaria e justamente neste sentido que agora farei algumas considerações:
1- Creio que para muitos de nós, devido as condições financeiras, infelizmente não pode ter o prazer de praticar nosso esporte, nos locais onde são gravados os programas de pesca, em especial me refiro ao que assisti hoje, PESCA ALTERNATIVA, como faço todos os domingos, transmitido pela TV, o qual deve ser assistido por muitos. Nele, fiquei "maravilhado" com os salmões pescados na Patagônia Chilena, sem deixar de mencionar as paisagens exuberantes que ficaram evidentes e por extensão, os locais de pesca, bastante preservados.Obviamente como tantos outros, este programa teve um patrocínio, no caso uma empresa de turismo de pesca e é claro, a equipe que o gravou e apresentou,alem destes custos, certamente teve as outras despesas de locomoção, estadia e alimentação, pagas por ela.
2- Com certeza,o objetivo,comercialmente falando, é motivar outros a fazer este tipo de turismo, então, meu único "senão" é a falta de divulgação dos custos desta pescaria, mesmo porque aqueles que podem fazê-la, já teriam uma idéia de quanto precisariam gastar e demais informações a respeito.
3) De outro lado e por extensão, o mesmo se dá quando pesquisamos sites de pesca, que divulgam artigos e fotos das pescarias nos famosos pesqueiros que os patrocinam, o que tambem é de se lamentar. Apesar disto, em razão da possibilidade de se capturar "bonitos troféus", estes geralmente, oriundos da Bacia Amazônica, se fizermos uma comparação do preço que se paga para pescá-los, certamente será menor do que os custos para realizar uma pescaria no local de origem dos mesmos, sem deixar de mencionar o quão emocionante pode ser, concordam?
4) No que tange á existência destes pesqueiros, creio que eles serão, se já não o são, o futuro de nosso esporte, pois são locais muito bem cuidados, com outras opções aos familiares dos pescadores e sobretudo, no que se refere á segurança, fator importante em nossos dias.
5) Tenhamos nós condições de arcar com as despesas do turismo de pesca, na verdade, somos um universo de pessoas que tambem movimentamos o lado comercial de pesca, no que tange á aquisição de materiais e equipamentos de pesca em geral.
6) Somos ainda explorados pelas autoridades, como se já não bastasse a "gama" de impostos que pagamos, quando se exige a Licença Anual de Pesca e como todos sabem, não temos o devido retôrno, já que a fiscalização está aquem das necessidades,seja devido a falta de aparelhamento e pessoal,portanto e por isto,nós que nos denominamos "pescadores esportivos" ficamos reféns dos que praticam a pesca predatória e de outras práticas condenáveis, contra o meio ambiente como um todo.
E ainda dizem que a vida do pescador é fácil?
Abraços á todos.
Marcão.

sexta-feira, 5 de março de 2010

UM BALANÇO DE MEUS ARTIGOS




Olá Pessoal da Pesca:
Coisa maravilhosa essa tal de Internet, nunca pensei que publicar nela meu blog, desse tanto resultado, pois desde a criação do mesmo, foram muitos contátos com outros pescadores, em especial os tilapeiros, onde a troca de informações e dicas não param de chegar e com certeza, meu blog aparece em vários tópicos de pesca, quando se pesquisam imagens para serem inseridas nos artigos.Uma coisa é certa, sempre que escrevo algo, procuro ser autêntico e detalhistas em minhas informações e certamente é a razão de tanto sucesso.
Tive a oportunidade de descobrir atravéz de comentários e contátos por email, que outros pescadores, se interessam pela pesca da tilápia, pois a grande maioria freqüenta os famosos P&P e que tem interesse em aprender os macetes e dicas de se pescar em represas.
Outros que moram aqui na minha região, foram motivados a conhecer o pesqueiro que freqüento no Capivari e desta forma, sem nenhum outro interesse, pude divulgar o Recanto do Sabiá o que obviamente tem rendido agradecimentos de seu proprietário, não esquecendo, que outros tb, fizeram questão de conhecer o pesqueiro Santa Cecilia em S.J.dos Pinhais, que são cavas onde alem das tilápias, pode-se capturar belos exemplares de trairas e carpas, todas nativas é claro.
Não posso deixar de citar, vários foruns e sites de pesca que me honram com o convite de escrever artigos diversos.
As vezes, tenho a impressão que os assuntos se esgotaram, especialmente ao falar da tilápia, de repente, surge uma novidade, uma dica, que passo a experimentar e não deixo de informar os resultados.
Assim concluo que ter um blog é ter o que fazer em boa parte de meu dia de aposentado e sem a pretenção de me tornar famoso, continuo fiel ao meu compromisso, renovando o convite á outros de debater ou até discordar daquilo que escrevo, pois como diz aquele ditado:
TODO HOMEM QUE ENCONTRO É SUPERIOR A MIM EM ALGUMA COISA E NESTE PARTICULAR APRENDO DELE.
Obrigado á todos por me prestigiarem e fico ao inteiro dispor.
Marcão.

quinta-feira, 4 de março de 2010

A QUESTÃO DA CEVA

Ola amigos, num artigo anterior, menncionei testar um novo meio de cevar, utilizasndo-me de um garrafão, etc, que infelizmente não deu certo, devido quem sabe aos seguintes problemas:
1) Coloquei muito milho verde picado e ração de coelho no interior do mesmo, antes de lançá-lo no pesqueiro;
2) Depois que a água se infiltrou e o mesmo afundou no pesqueiro "volta e meia" eu dava uma chacoalhadinha na cordinha de nylon amarrada no mesmo, achando que isto faria com que a ceva se soltasse;
3) Para m/decepção no dia seguinte, ví o garrafão boiando no pesqueiro, achei que estava vazio, no entanto, a ração de coelho se dissolveu e entupio os buracos, impedindo que tudo saisse pelos mesmos;
4) Com certeza outro detalhe que faltou, foi colocar um pêso amarrado no mesmo, de forma que qdo sacudisse a cordinha, ele cotribuisse p/ melhor resultado.
RESUMINDO: Vou fazer uma nova tentativa na próxima pescaria e colocarei menos ingredientes no interior do mesmo e o peso acima citado, vamos ver????
Fora este fato, conversando com um colega pesscador, adotei o mesmo modo dele ao cevar, ou seja:
1) Ele usa uma bôa quantidade de farelo de trigo molhado(uns 5kg) e lança tudo no pesqueiro ao anoitecer;
2) Depois de um tempo, joga alguns punhados de ração de cavalo com melaço;
3) Mais tarde, outros punhados de ração de peixe que afunda;
4) Nos intervalos, lança na vara do meio, das cinco que pesca, pequenas quantidades de milho verde picado, apenas para manter os peixes comendo esta ceva, já que a isca é do próprio.
CONCLUSÃO; O método usado realmente funcionou e pude comprovar que houve uma substancial economia de ceva que utilizei e é obvio a ação dos peixes.
REPETINDO: sempre há uma maneira nova de se fgazer as velhas coisas, concordam?
Até a próxima.
Marcão.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

PREPAROS PARA UMA PESCARIA




Olá Amigos Tilapeiros e Outros Pescadores:
Muitos de nós ao ir praticar nosso esporte predileto, especialmente se pretendermos "acampar" na beira de um rio, lago ou represa, sabemos a infinidade de coisas que precisamos levar, começando com os equipamentos de pesca em geral, roupas e calçados sobressalentes, barracas, guarda-sol, lampiâo ou refletor, lanterna, fogareiro, cevas, iscas, etc. Caso pretendamos fazer a própria comida, obviamente os alimentos em geral e é claro, utensílios domésticos para prepará-los ou ainda grelhas ou espetos para assados, etc. Não podemos esquecer de material para higiene pessoal, enfim, para relacionar tudo o que é necessário, certamente ocuparia um grande espaço para descrever e falando em "espaço":...Haja espaço no carro para acomodar tanta "tralha" concordam, isso se formos ´sozinhos' imagine se acompanhados???
A verdade é que para não esquecermos de nada, o melhor é fazer um planejamento antecipado, relacionando todos os ítens e cada um deles que formos colocando no carro, vamos eliminando de nossa relação, obtendo a certeza que o que precisarmos ou não, estará á nosso disso dispor,certo?
Toda esta embromação, na verdade é para citar mais dois ítens importantes: aguá potável e gêlo.
Claro que temos a opção de comprá-los a caminho do pesqueiro, porem, já aconteceu comigo e creio que com outros, que não podemos confiar na "sorte", relegando á um segundo plano, pois deixar para comprá-los em algum mercadinho ou posto de gasolina próximo ao local de pescaria, lá chegando, simplesmente, não tinha, e dai?
Justamente para evitar estas situações, em minhas pescarias, sempre providencio estes dois ítens, sismplesmente usando as embalagens vazias das fotos, onde em algumas coloco água mineral, em outras ainda as congelo, simples é verdade?
Talvez você discorde e diga: Eh mais ocupará mais um espaço!
Afirmo: Verdade, o mesmo que ocupará se você comprá-los no caminho, concorda?
Quem decide é você, sacou.
Marcão.